#experiência: Lucas Bicalho, Nelson, NZ

Para nós, da S7 Intercâmbios, não há nada melhor do que a certeza de que ajudamos alguém a ter uma experiência inesquecível durante o intercâmbio. Foi o caso do Lucas Bicalho, de São Paulo, capital, que foi para a Nova Zelândia e ainda está curtindo toda as maravilhas que o país pode oferecer.

Após quatro meses na Nova Zelândia (dois meses em Nelson, onde fiz um mês de General English, e dois em Chirstchurch), encontro um sossego para escrever essas palavras de agradecimento a Agência Nova Zelândia Brasil como um todo e ao student advisor Anderson Barbosa em particular. 

Escrevo, pois sou agradecido a todo suporte profissional e especialmente humano que foi oferecido no decorrer da preparação para essa viagem e durante ela. A decisão de passar um longo tempo longe de onde nascemos e somos criados para conhecer outras terras e outros mares é sempre rodeada de grandes inseguranças e questionamentos, mas é justamente aí que reside a grande importância e valor de escolhas como essas.

Não creio que entrar em detalhes e particularidades das minhas andanças seja o que posso compartilhar de maior importância, por que com certeza cada história aqui é única e cheia de diferentes riquezas. Mas o que posso dizer sem medo é que essa pequena Ilha no Pacífico quase esquecida e de tardia colonização é definitivamente um lugar muito especial, de natureza generosa e de um povo que vem se construindo diretamente ligado a ela.

lucas bicalho 1

As possibilidades aqui são diversas, especialmente para quem busca um lugar mais tranquilo, sem muitas pessoas ou grandes centros urbanos, principalmente na Ilha Sul. Os Maoris e os Kiwis dão real valor ao estilo de vida “outdoor” e primam pela qualidade de vida e por aproveitá-la. Por isso que tantos esportes radicais e diversões ao ar livre são inventadas aqui.

Além de entrar em contato com os habitantes de Aotearoa, a Nova Zelândia é um lugar perfeito para conhecer viajantes de quase todo mundo: America do Sul, América do Norte, Europa e Asia principalmente. Nesse momento estou sentado com um amigo Belga, uma amiga da Africa do Sul e outra da China. É realmente um lugar de passagem para diversos mochileiros, ou pessoas que buscam novas experiências de vida ou trabalho, todos estão sempre rodando pelo país, que não é tão grande, então é muito comum encontrar e reencontrar pessoas queridas por todos os cantos que se vai, sem falar que é um lugar fácil para viajar de carona!

Termino aqui por dizer que realmente vale a pena um empurrãozinho na ideia de viajar, e creio que essa foi a maior ajuda que a Nova Zelândia Brasil me deu. Em um ambiente profissional e descontraído me senti bem e confiante para concretizar meus planos e dar seguimento a decisão de atravessar o grande mar aqui pro outro lado do globo.

Essa experiência já tem sido extremamente profunda e linda e sei que terá imenso valor para toda minha vida.

Espero que mais e mais pessoas decidam por viajar (e viajar e viajar…) por todo esse planeta gigante, por que somos cidadãs e cidadãos do mundo! E se o canto escolhido for por aqui na Nova Zelândia, com certeza terão muito o que aproveitar, aprender e crescer.

Tks for all,

See ya, Lucas.

1 comentário em “#experiência: Lucas Bicalho, Nelson, NZ”

  1. Lucas, estou buscando a experiência de passar um (pequeno) tempo fora do Brasil e pensei em ficar 3 meses estudando e mais 1 mês turistando por algum país que a língua oficial seja o inglês. Depois de muita pesquisa, mudei meus planos (antes planejava Inglaterra) e estou sonhando com a Nova Zelândia. Ainda estou em dúvidas em relação à cidade, mas, como gosto de cidades menores (sem o agito das grandes cidades) e curto bastante a natureza, acredito que a ilha sul seja o lugar ideal pra mim. Sempre me imaginei passando um tempo em uma cidade tranquila, em uma casinha com quintal e belas paisagens ao redor da cidade.

    A primeira cidade que vi e gostei bastante do clima, das casas e da natureza ao redor foi Christchurch, porém, li relatos sobre os terremotos lá e já acho que não é uma ideia tão boa assim conviver com os tremores, além de muita destruição. A opção seguinte foi Queenstown, mas fico receoso de ser uma cidade muito turística e, como você falou, lotada de brasileiros, o que dificultaria a imersão no inglês e na cultura local. A cidade que me parece a melhor opção para o meu perfil até agora é Nelson, que parece ser uma cidade tranquila, com casas bacanas e muita natureza ao redor, com muitas praias e parques nacionais incríveis, além de estar na ilha sul, mais perto dos principais pontos de interesse que tenho na Nova Zelândia.

    Enfim, você que conheceu bem as duas cidades acha melhor ficar em qual das duas de acordo com o meu “perfil”?

    E qual seria a melhor época para ficar em cada uma das cidades?

    Muito obrigado pela ajuda

Vai Fazer Intercâmbio? Deixe seu comentário!